quarta-feira, 5 de Dezembro de 2012

Casar: Atilano Muradas

Casar é muito bom, você vai ver.
Não é um mar de rosas
Nem prisão.
Tem horas de paixão
Tem horas de sofrer.
Compensa, é bem melhor
Que a solidão.
Não tem que ser igual
Ao de seus pais.
Não tem que ser melhor
Que o de ninguém.
Só tem que ser vocÊs
Do jeito que Deus fez.
Cedendo um pouco aqui e ali.

Casar é muito bom, você vai ver.
Não é lua-de-fel, nem só xodó.
Tem horas de entender
Tem horas de prazer.
Contudo, é bem melhor
Que viver só.
Não tem que ser modelo
E perfeição.
Porém, dê todo amor
Que você tem.
Não deixe de dizer:
I love you, minha flor
Não deixe de zelar do seu amor.

Casar é muito bom, você vai ver
Quando se está disposto a crescer.
Tem hora de ouvir
Tem hora de falar.
Respeito e compreensão vão ajudar.
Casar é mais do que viver a dois.
Casar é aprender até morrer.
É ter um só Senhor
Viver prazer e dor.
Casar é investir no grande amor.

Casar. Casar é investir
No grande amor. (2x)
É, casar é investir
No grande amor.
Casar é muito bom
Quem vai querer?

domingo, 2 de Dezembro de 2012

Gerar: Dom da vida, Dádiva de Deus


Ser Mãe!!!

Saber que está grávida é algo que transcende todas as alegrias passadas. Foi isso o que senti quando descobri. No entanto, além de uma extrema e divina felicidade senti muito medo. Medo de não saber criar, de não ser Mãe o suficiente, medo das cobranças affff, enfim MEDO!
Depois resolvi deixar nas mãos daquele que me deu esse presente, esse milagre da vida, da criação: DEUS. Agora ficam as expectativas, os sonhos... 
Ouvir o coração do seu filho quando ele ainda mede algo em torno de um grão de arroz é inexplicável, só sendo mãe pra saber. 
Então, depois de cumprir algumas tarefas da minha vida, tratarei de ser Mãe!!! 

terça-feira, 6 de Novembro de 2012

Pequenos Detalhes


















Naquela noite, enquanto minha esposa servia o jantar, eu segurei sua mão e disse: "Tenho algo importante para te dizer". Ela se sentou e jantou sem dizer uma palavra. Pude ver sofrimento em seus olhos.

De repente, eu também fiquei sem palavras. No entanto, eu tinha que dizer a ela o que estava pensando. Eu queria o divórcio. E abordei o assunto calmamente.

Ela não parecia irritada pelas minhas palavras e simplesmente perguntou em voz baixa: "Por quê?" Eu evitei respondê-la, o que a deixou muito brava. Ela jogou os talheres longe e gritou "você não é homem!" Naquela noite, nós não conversamos mais. Pude ouvi-la chorando. Eu sabia que ela queria um motivo para o fim do nosso casamento. Mas eu não tinha uma resposta satisfatória para esta pergunta. O meu coração não pertencia a ela mais e sim a Jane. Eu simplesmente não a amava mais, sentia pena dela.
Me sentindo muito culpado, rascunhei um acordo de divórcio, deixando para ela a casa, nosso carro e 30% das ações da minha empresa.

Ela tomou o papel da minha mão e o rasgou violentamente. A mulher com quem vivi pelos últimos 10 anos se tornou uma estranha para mim. Eu fiquei com dó deste desperdício de tempo e energia, mas eu não voltaria atrás do que disse, pois amava a Jane profundamente. Finalmente ela começou a chorar alto na minha frente, o que já era esperado. Eu me senti libertado enquanto ela chorava. A minha obsessão por divórcio nas últimas semanas finalmente se materializava e o fim estava mais perto agora.

No dia seguinte, eu cheguei em casa tarde e a encontrei sentada na mesa escrevendo. Eu não jantei, fui direto para a cama e dormi imediatamente, pois estava cansado depois de ter passado o dia com a Jane.

Quando acordei no meio da noite, ela ainda estava sentada à mesa, escrevendo. Eu a ignorei e volteia dormir.

Na manhã seguinte, ela me apresentou suas condições: ela não queria nada meu, mas pedia um mês de prazo para conceder o divórcio. Ela pediu que durante os próximos 30 dias a gente tentasse viver juntos de forma mais natural possível. As suas razões eram simples: o nosso filho faria seus exames no próximo mês e precisava de um ambiente propício para preparar-se bem, sem os problemas de ter que lidar com o rompimento de seus pais.

Isso me pareceu razoável, mas ela acrescentou algo mais. Ela me lembrou do momento em que eu a carreguei para dentro da nossa casa no dia em que nos casamos e me pediu que durante os próximos 30 dias eu a carregasse para fora da casa todas as manhãs. Eu então percebi que ela estava completamente louca mas aceitei sua proposta para não tornar meus próximos dias ainda mais intoleráveis.

Eu contei para a Jane sobre o pedido da minha esposa e ela riu muito e achou a ideia totalmente absurda. "Ela pensa que impondo condições assim vai mudar alguma coisa; melhor ela encarar a situação e aceitar o divórcio", disse Jane em tom de gozação.

Minha esposa e eu não tínhamos nenhum contato físico havia muito tempo, então quando eu a carreguei para fora da casa no primeiro dia, foi totalmente estranho. Nosso filho nos aplaudiu dizendo "O papai está carregando a mamãe no colo!" Suas palavras me causaram constrangimento. Do quarto para a sala, da sala para a porta de entrada da casa, eu devo ter caminhado uns 10 metros carregando minha esposa no colo. Ela fechou os olhos e disse baixinho "Não conte para o nosso filho sobre o divórcio" Eu balancei a cabeça mesmo discordando e então a coloquei no chão assim que atravessamos a porta de entrada da casa. Ela foi pegar o ônibus para o trabalho e eu dirigi para o escritório.

No segundo dia, foi mais fácil para nós dois. Ela se apoiou no meu peito, eu senti o cheiro do perfume que ela usava. Eu então percebi que há muito tempo não prestava atenção a essa mulher. Ela certamente tinha
envelhecido nestes últimos 10 anos, havia rugas no seu rosto, seu cabelo estava ficando fino e grisalho. O nosso casamento teve muito impacto nela.
Por uns segundos, cheguei a pensar no que havia feito para ela estar neste estado.

No quarto dia, quando eu a levantei, senti certa intimidade maior com o corpo dela. Esta mulher havia dedicado 10 anos da vida dela a mim.

No quinto dia, a mesma coisa. Eu não disse nada a Jane, mas ficava a cada dia mais fácil carregá-la do nosso quarto à porta da casa. Talvez meus músculos estejam mais firmes com o exercício, pensei.

Certa manhã, ela estava tentando escolher um vestido. Ela experimentou uma série deles, mas não conseguia achar um que servisse. Com um suspiro, ela disse "Todos os meus vestidos estão grandes para mim". Eu então percebi que ela realmente havia emagrecido bastante, daí a facilidade em carregá-la nos últimos dias.

A realidade caiu sobre mim com uma ponta de remorso... ela carrega tanta dor e tristeza em seu coração... Instintivamente, eu estiquei o braço e toquei seus cabelos.

Nosso filho entrou no quarto neste momento e disse "Pai, está na hora de você carregar a mamãe". Para ele, ver seu pai carregando sua mão todas as manhãs tornou-se parte da rotina da casa. Minha esposa abraçou nosso filho e o segurou em seus braços por alguns longos segundos. Eu tive que sair de perto, temendo mudar de ideia agora que estava tão perto do meu objetivo.
Em seguida, eu a carreguei em meus braços, do quarto para a sala, da sala para a porta de entrada da casa. Sua mão repousava em meu pescoço. Eu a segurei firme contra o meu corpo. Lembrei-me do dia do nosso casamento.

Mas o seu corpo tão magro me deixou triste. No último dia, quando eu a segurei em meus braços, por algum motivo não conseguia mover minhas pernas. Nosso filho já tinha ido para a escola e eu me vi pronunciando estas palavras: "Eu não percebi o quanto perdemos a nossa intimidade com o tempo".

Eu não consegui dirigir para o trabalho... fui até o meu novo futuro endereço, saí do carro apressadamente, com medo de mudar de ideia... Subi as escadas e bati na porta do quarto. A Jane abriu a porta e eu disse a ela "Desculpe Jane. Eu não quero mais me divorciar".

Ela olhou para mim sem acreditar e tocou na minha testa "Você está com febre?" Eu tirei sua mão da minha testa e repeti "Desculpe Jane. Eu não vou me divorciar. Meu casamento ficou chato porque nós não soubemos valorizar os pequenos detalhes da nossa vida e não por falta de amor. Agora eu percebi que desde o dia em que carreguei minha esposa no dia do nosso casamento para nossa casa, eu devo segurá-la até que a morte nos separe.

A Jane então percebeu que era sério. Me deu um tapa no rosto, bateu a porta na minha cara e pude ouvi-la chorando compulsivamente. Eu voltei para o carro e fui trabalhar.

Na loja de flores, no caminho de volta para casa, eu comprei um buquê de rosas para minha esposa. A atendente me perguntou o que eu gostaria de escrever no cartão. Eu sorri e escrevi: "Eu te carregarei em meus braços todas as manhãs até que a morte nos separe".

Naquela noite, quando cheguei em casa, com um buquê de flores na mão e um grande sorriso no rosto, fui direto para o nosso quarto onde encontrei minha esposa deitada na cama, morta.
Minha esposa estava com câncer e vinha se tratando a vários meses, mas eu estava muito ocupado com a Jane para perceber que havia algo errado com ela. Ela sabia que morreria em breve e quis poupar nosso filho dos efeitos de um divórcio - e prolongou a nossa vida juntos proporcionando ao nosso filho a imagem de nós dois juntos toda manhã. Pelo menos aos olhos do meu filho, eu sou um marido carinhoso.

Os pequenos detalhes de nossa vida são o que realmente contam num relacionamento. Não é a mansão, o carro, as propriedades, o dinheiro no banco. Estes bens criam um ambiente propício a felicidade mas não proporcionam mais do que conforto. Portanto, encontre tempo para ser amigo de sua esposa, faça pequenas coisas um para o outro para mantê-los próximos e íntimos. Tenham um casamento real e feliz!

Se você não dividir isso com alguém, nada vai te acontecer.

Mas se escolher compartilhar para alguém, talvez salve um casamento. Muitos fracassados na vida são pessoas que não perceberam que estavam tão perto do sucesso e preferiram desistir...

Valorize quem realmente te ama ... Pense nisso ... !!

quarta-feira, 17 de Outubro de 2012

Fazendo o Casamento dar Certo





 Fazendo o Casamento dar Certo


Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho
Isto não é receita de bolo, tipo “siga as instruções que vai dar certo”. Mas deve haver alguns princípios, que ajudem a um casamento a dar certo. Nem sempre o bom sucesso depende de religião. Temos a tendência de espiritualizar todos os problemas da vida. Boa parte, senão a maior parte deles, não depende de Deus, demônios, anjos, encostos, santos, velas e patuás. Há pessoas muito religiosas vivendo mal e pessoas sem religião vivendo bem. Não depende de situação acadêmica ou social. Gente bem casada e gente má casada há em todas as esferas da vida. Na maior parte das vezes, o bom sucesso do casamento depende, simplesmente, de bom senso. Isto há e isto falta também em todas as esferas da vida. Vou seguir, simplesmente, a trilha do bom senso. Não esperem alguma revelação fantástica, que marcará para sempre os anais da terapia conjugal. Coisas simples, das quais já ouviram, mas que nem sempre praticamos.
Relacionamentos de qualquer espécie geram conflitos. Mas o relacionamento conjugal é mais delicado. Atinge-nos no que há de mais pessoal e está dentro de casa. Quando é profissional, estudantil, com vizinhos, há a cessação quando se recolhe em casa. Quando é em casa, não há onde se recolher. A não ser ir para a rua. Quando surgem os conflitos, a tendência mais comum é valer-se do velho expediente de culpar o outro. Faz parte de nosso mecanismo de defesa e é a maneira mais eficiente de dar uma explicação: a outra parte é a problemática. Adão fez isto, no Éden: “a mulher que tu me deste”. A mulher e Deus eram os culpados.
Esta é a melhor maneira de aniquilar um casamento. Manter um casamento é uma árdua tarefa que exige, de ambos os parceiros, um grande investimento amoroso, capacidade de mudança e adaptação e a convicção de que é preciso batalhar para que as coisas dêem certas! Quando apenas um está lutando para manter a relação e a outra parte não liga, a situação é mais difícil. Quando um não quer, dois não brigam. Mas quando um não quer, dois não amam, dois não constróem. Culpar a outra parte ou evadir-se de responsabilidade faz o matrimônio perigar. É tarefa comum aos dois.
Assim sendo, apresento aqui algumas pequenas sugestões que podem ajudar no bom relacionamento conjugal. Evitemos dizer nosso que se cônjuge precisa fazer estas coisas. Pensemos assim; “eu preciso fazer estas coisas”.

1. Saibam distinguir entre o real e o ideal 
No começo é tudo tão doce! O período de namoro é encantador. Cada um se orgulha do outro, admira, respeita, elogia, exibe aos outros e tem esperanças de que será assim para sempre. No noivado começam os vestígios de realidade. As pessoas já se sentem mais seguras no relacionamento e não têm necessidade de mascarar tanto. A pessoa real começa a emergir. Ainda assim, o relacionamento sobrevive, e chega ao casamento. Os primeiros dias são de sonho, mas sempre se acorda. Em algumas ocasiões, o que antes encantava começa a irritar. O romantismo se torna escasso e surgem as rusgas. O pior é quando surgem as tão terríveis cobranças! “Você já não é mais o mesmo!”, ou “você era diferente!”.
Muitas vezes o real já aparecia no namoro e no noivado, mas vinha a famosa romantização: “Meu amor vai mudá-lo (a)” ou a racionalização: “Isso é agora, depois de casado, com a responsabilidade, muda”. Vem o casamento, o real triunfa sobre o ideal. O ideal é a forma sonhadora como vemos a pessoa. O real é como ela é. Namoramos o ideal, sonhamos com o ideal, mas casamos com o real. Distinguir entre os dois é extremamente necessário. Quando alguém se frustra, nem sempre a culpa é do outro. Pode ter sido do frustrado, porque viu o que queria e que não existia, e deixou de ver o que não queria, mas que existia. O certo é saber que se está casado com aquela pessoa e não com a ideal. Parte da solução de muitas tensões começa aqui, com a aceitação do outro.

2. Não busquem um clone
Aceitem seu cônjuge. Desdobra o ponto anterior. Muitos dos eventuais conflitos são uma conseqüência natural das diferenças entre os parceiros. Cada um é diferente do outro, carregando uma bagagem cultural diferente. São pessoas que levaram anos sendo construídas de uma maneira. Desconstruir e reconstruir não se fazem num dia. E uma questão deve se levantar: é necessário desconstruir? É normal que as pessoas sejam diferentes e que surjam choques. O problema existirá apenas se a convivência das diferenças se tornar absolutamente impossível por questão de valores.
A busca de um clone é muito forte, porque se o outro for igual, aceitará tudo. A concordância pode existir, é excelente quando existe, mas deve suceder porque os dois olham pelo mesmo binóculo. Não porque um convenceu ou venceu o outro a ser igual a si. Na realidade, as diferenças são necessárias. Ouvimos dizer “os opostos se atraem”. Não é verdade. Opostos sadios se repelem. Interpretou-se mal a questão, que é esta: os diferentes se complementam. Na cruz, Jesus não confiou sua mãe a seus irmãos (sendo o primogênito, o pai estando morto, ele era responsável pela mãe) mas a João, que nem parente era. Maria precisava de um braço forte. João era. Tanto que seu apelido, não muito lisonjeiro, era “filho do trovão”. No fim da vida, o “filho do trovão” se tornou o “apóstolo do amor”. Maria precisava de um filho como João, já que os irmãos de Jesus ainda não eram convertidos. João precisava de uma figura terna e amorosa. Dois opostos que se complementaram. Ele serviu de apoio para ela. Ela o ajudou a mudar seu temperamento. Buscar um carbono pode privar a pessoa de ser enriquecida pela outra. Meacir e eu éramos muito diferentes no início. Temos mudado, ao longo dos 31 anos de casados. Acho que eu ganhei, mas cada um de nós contribuiu com alguma coisa para a vida do outro. Não se deve querer um clone. Deve se buscar um complementador. Um dos problemas mais fortes em um casamento sucede quando uma parte não traz crescimento para a vida do outro. Deve haver diferenças e estas devem ajudar.

3. Não culpem
Mesmo que a outra parte esteja completamente errada, lançar isto em rosto é pouco produtivo. Devemos ter em conta que há uma diferença entre argumentar e acusar. Devemos esperar o momento, usar os argumentos, mas não acusar. Lembremo-nos de Provérbios 15.1: “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira”. Uma boa pergunta para si mesmo é: “O que desejo: resolver o problema ou ganhar a discussão?”. Muitos querem o triunfo e não resolução. Para estas pessoas, casamento é uma eterna competição com o cônjuge, para impor suas idéias, seu estilo de vida, sua concepção de valores. Casamento é uma sociedade, e não uma competição. Os esforços devem ser para um bem comum e não para domínio. Pode até vir a dominar, mas vai arruinar a vida do outro, a sua e a dos filhos. Estar a culpar o outro é uma das melhores maneiras de aniquilar o casamento. Não culpemos. Busquemos soluções. Lembremos que quanto mais uma pessoa é criticada mais ela se amua, se revolta e se fecha. É pouco provável que alguém mude suas atitudes somente por ser criticado. Há ocasiões em que a pessoa reconhece suas falhas, deseja mudar, não consegue. Críticas a empurram mais para baixo e a desestruturam. Entender e ajudar a mudar pode ser mais produtivo, se não for feito com a empáfia de quem sabe que como tudo deve ser.

4. Não discutam pelo passado
Tenho observado que boa parte das discussões dos casais é por coisas passadas. Há um problema hoje, começa-se a falar sobre ele, mas elementos já vencidos são recuperados e trazidos à discussão. O que passou já se passou. Passado é vencido. Até mesmo quando as circunstâncias atuais são reprodução do passado, não recupere o que já foi. Cuide agora. Lembremos da palavra de Jesus: “Basta a cada dia o seu mal”. Há pessoas que cuidam dos males de hoje, ruminam os de ontem e agonizam na perspectiva dos de amanhã. Acabam tornando sua vida miserável. E a dos outros também.
Dirá alguém que não consegue esquecer o que houve no passado. Isto é sinal de que tem boa memória e não precisará tomar remédios para melhorá-la. Ouvimos muito a expressão “perdoar é esquecer”. Até mesmo muita coisa que ouvimos na igreja diz isto. “Se você perdoou, tem que esquecer”. Isto cria uma neurose, porque a pessoa não consegue esquecer. Quando lembra, se sente culpada. Afinal, perdoou, mas não consegue esquecer! Perdoar não é esquecer. Perdoar é tratar de maneira diferente. Podemos nos lembrar dos eventos, mas seu impacto sobre nós, agora, é diferente. O passado pode vir à tona, mas devemos tratá-lo de outra maneira. Se, a cada momento em que fatos ressurgem na memória a pessoa sente emoções negativas, isto é sinal de que ainda não assimilou a situação. Precisa de uma cura de suas recordações. Por isso que trazê-las à baila não será sábio. Quem age assim sempre estará envenenada pelo passado negativo. Evitar isto é muito necessário. Ou se trata de outra maneira o que passou, ou se evite trazê-lo à cena, novamente. Discutir pelo passado é duplamente estressante porque se gasta energia no que não pode ser modificado e se deixa de usá-la em algo construtivo.

5. Definam bem as divergências
Quando um casal diverge, os dois devem se perguntar se estão divergindo por algo específico ou genérico. É uma questão localizada ou é o mundo? Quando é algo específico, tudo bem, vale a pena. Mas se for o mundo, é melhor parar logo. Não se vai a lugar algum. Há casais que já criaram um estado de beligerância permanente e sempre se colocam em campos opostos. Se um disser “sua mãe é linda”, o outro será capaz de responder “não, minha mãe é horrorosa”, porque não sabe como viver em concordância. Esta deterioração de relacionamentos sucedeu pelo hábito de divergir. Este é um dos momentos mais graves. O casal deixou o fosso se aprofundar tanto que não sabe mais como se relacionar. Devemos nos lembrar que, como dito anteriormente, divergências são normais em todos os relacionamentos. Mas quando se tornam a regra de conduta, algo está errado. Ou se conserta ou o casamento está correndo risco, se, na realidade, não se acabou e se mantém apenas uma fachada.
Por isto, tenhamos cuidado. Se surgem discussões por ninharia e a qualquer momento, o casal está fazendo o casamento dar errado. Isto é grave. O estado de beligerância contínua é para refletir seriamente. Ou dão uma guinada radical ou tenham coragem de perguntar: “Por que ainda insistimos nisto?”. Cuidado com divergências por tudo.

6. Havendo discussões, evitem golpes baixos
Não se trata de golpes abaixo da linha da cintura, como no boxe. São de outro tipo. Todos nós sabemos quais são os golpes baixos e como usá-los para causar mais danos. São aqueles que mais machucam. Há pessoas que são bem treinadas nesta situação. Uma pergunta que se deve fazer é esta: “O que quero: acertar alguns pontos ou causar o maior dano possível ao outro?”. Já se errou em ver o cônjuge como adversário. Erra-se mais ainda ao buscar infligir danos ao outro. Quer-se acertar a situação ou ganhar uma guerra? Será bom ter em mente que é mais importante chegar a um acordo que triunfar em dada ocasião. Pode-se vencer uma batalha, e no fim perder a guerra pela manutenção do casamento.

7. Reconheçam o inimigo número um
Não é o outro. Nosso maior inimigo somos nós mesmos. Emprestei a uma pessoa um livro intitulado Seus pontos fracos. Disse-lhe que não precisei ler o livro, porque só tenho um ponto fraco. Ante o espanto da pessoa, disse-lhe: “Eu todo”. Vamos definir o que está sendo dito. O maior inimigo no casamento é o egoísmo. A esposa quer continuar sendo a dondoca, a bonequinha preferida do papai, mas agora quer ser assim vista pelo esposo. É bom paparicar a mulher. Mulher paparicada é um bom investimento. Faz bem para os dois, mas a vida real deve ser encarada. O rapaz quer ser o queridinho da mamãe, bem tratado em todos os momentos. Como os filhos costumam pensar, quer todos os privilégios, mas nem sempre quer responsabilidade. O que está acontecendo? Os dois se colocaram no centro do casamento. Viram o casamento como uma oportunidade de receber do outro. Atenção, afeto, zelo, seja o que for. A pessoa entrou no casamento para ter suas necessidades emocionais preenchidas, mas não para uma parceria. Um bom casamento é aquele em que a pessoa tem suas necessidades emocionais preenchidas. Mas o outro também existe, também tem necessidades emocionais. É uma parceria. Evitar colocar-se no centro do mundo é fundamental. Os sintomas desta patologia são frases tipo “Eu quero”, “deve ser assim”, “faça assim”, etc.
Muitas vezes aconselho um casal e. ao ouvir uma das partes, vejo que ela me quer não como seu conselheiro, mas como seu aliado, seu advogado de defesa e promotor da outra parte. A pessoa é egoísta. Quer vencer e não acertar. É o egoísmo que nos leva a esta situação de nos colocar no centro e desejar que tudo se conforme a nós. Isto é uma forma de narcisismo, doença muito comum nas pessoas. O narcisista é apaixonado por si mesmo. No seu viver não há espaço para outros. Ele se ama demais e não sobra amor para ninguém. Evite isto.

8. Mantenham uma atitude positiva
Isto não é ter pensamento positivo. Falei de atitude. Significa preparar-se e fazer. Significa ter o desejo de investir no casamento. Muita gente hoje se casa com esta idéia em mente: “Se não der certo, a gente se separa”. A frase teve um uso infeliz. Veio do governo desastrado de José Sarney, mas aqui tem muito valor: “Tem que dar certo”. Não é loteria. Se não tem convicção a pessoa não deve entrar. Se entrou, deve fazer de tudo para dar certo. Deve ter isto em mente: que pode dar certo e que ela vai fazer de tudo para dar certo. Uma atitude de quem ver as coisas resolvidas, o passo acertado, as relações em bom nível. Por pior que estejam as coisas, deve haver o esforço para melhorar. Só em caso extremo, último e absoluto, é que deve deixar de investir. Mas enquanto for possível deve se lutar para tal.
Mais coisas poderiam ser ditas. Estas bastam por hoje. Presumo que ainda vão me convidar para falar ou para substituir alguém. Se gastar tudo agora, mais tarde nada tenho para dizer. Mas o que aqui está pode nos ajudar a refletirmos. Um mau casamento é um inferno, tenho visto isto. Mas um bom casamento é um pedaço do céu aqui na terra. Também tenho visto isto. E, o que é melhor, tenho provado isto. Lutemos para que nossos casamentos dêem certo.
RETIRADO DO BLOG “OS PARDAIS”, acessado em 17de outubro de 2012.

terça-feira, 16 de Outubro de 2012

Vestidos e Buquês de Noiva


Segue algumas dicas de vestidos e buquês de noiva. Cada um mais lindo que o outro.
*-* *-*


Esse buquê é a mais nova sensação entre as noivas. Ele é armado com rosas vermelhas e cravejado no centro com cristais svarovisk. Lindo!!!

 Lindo vestido tomara que caia com calda de organza.

 Esse é simples e lindo. Lembre-se: menos é mais. 

 Esse é perfeito!!! e essa mantilha é deslumbrante.

 Esse buquê de gipsofila é lindo e tem sido um dos mais usados, assim como toda a decoração da igreja. 

Esse é como o primeiro, só que um pouco mais delicado.

 Esse é todo de tulipas. Perfeito!

 Alguns buquês brancos.

 Essas costas desse vestido e a minha preferida. Todo amarrado e muito romântico.

 Simples e Lindo!
Gostaram? Espero que tenham aproveitado as dicas. *-*

domingo, 14 de Outubro de 2012

O que ouvimos sobre o Casamento...


O MATRIMÔNIO é ainda a fonte estabilizadora das sociedades, por ser a base para geração das FAMÍLIAS, na sua acepção fidedigna. É onde as VIRTUDES humanas são iniciadas e aprofundadas através dos exemplos. Se quisermos destruir um País e só acabar com as famílias.

Por muito anos ouvi a seguinte frase: "Casamento não é Fácil", o que me assustou um pouco. No entanto, recordei-me de quem CRIOU todas as coisas inclusive o casamento, então relaxei e me propus ser uma boa esposa, na medida do possível com a ajuda de Deus. Uma vez, uma irmã me falou que o casamento é bom e então relaxei e ansiosamente esperei o meu dia. O meu tão esperado dia chegou, 03 de Outubro de 2009. Hoje posso dizer por experiência própria que CASAR É MUITO BOM! como diz a bela canção de Atilano Muradas.

Estar casada tem algumas implicações com as quais algumas pessoas não querem se comprometer e por isso o casamento torna-se difícil.

A bíblia nos ensina a fazer tudo, basta ler e seguir tais orientações. Bom, há também indicações pessoais que facilita a harmonia do casal. No dia do meu casamento, meu pastor- Gelson carvalho Ramos, hoje pastor da PIB de Gandú tomando por instantes a frase de Pe. Zezinho e nos disse "Que ninguém vá dormir sem dar ou pedir perdão"!

 Indico mais:  

-Não esticar uma discussão;
-Beijar-se com freqüência;
-Dar as mãos para ir para a cama;
-Cultivar o prazer de estar na companhia do outro;
-Querer sempre a felicidade do outro;
- Dizer sempre: Eu te amo;
- ouvir músicas românticas;
-Elogiar um ao outro;
-Fazer da intimidade (sexual) algo prazeroso buscando a felicidade do outro e não o seu próprio, pois o Amor não é egoísta.

sábado, 13 de Outubro de 2012

©  O VERDADEIRO AMOR © 


     Um famoso professor se encontrou com um grupo de jovens que falava contra o casamento.
Argumentavam que o que mantém um casal é o romantismo e que é preferível acabar com a relação quando este se apaga, em vez de se submeter
 à triste monotonia do matrimônio.
O mestre disse que respeitava sua opinião, mas lhes contou a seguinte história:

“Meus pais viveram 55 anos casados. Numa manhã minha mãe descia as escadas para preparar o café e sofreu um enfarto.
Meu pai correu até ela, levantou-a como pôde e quase se arrastando a levou até à caminhonete.
Dirigiu a toda velocidade até o hospital, mas quando chegou, infelizmente ela já estava morta.
Durante o velório, meu pai não falou.
Ficava o tempo todo olhando para o nada. Quase não chorou. Eu e meus irmãos tentamos, em vão, quebrar a nostalgia recordando momentos engraçados.
Na hora do sepultamento, papai, já mais calmo, passou a mão sobre o caixão e falou com sentida emoção: “- Meus filhos, foram 55 bons anos…Ninguém pode falar do amor verdadeiro se não tem idéia do que é compartilhar a vida com alguém por tanto tempo.”
Fez uma pausa, enxugou as lágrimas e continuou: “- Ela e eu estivemos juntos em muitas crises.
Mudei de emprego, renovamos toda a mobília quando vendemos a casa e mudamos de cidade.
Compartilhamos a alegria de ver nossos filhos concluírem a faculdade, choramos um ao lado do outro quando entes queridos partiam. Oramos juntos na sala de espera de alguns hospitais, nos apoiamos na hora da dor, e perdoamos nossos erros…
Filhos, agora ela se foi e estou contente. E vocês sabem por que? Porque ela se foi antes de mim e não teve que viver a agonia e a dor de me enterrar, de ficar só depois da minha partida. Sou eu que vou passar por essa situação, e agradeço a Deus por isso. Eu a amo tanto que não gostaria que sofresse assim… “
Quando meu pai terminou de falar, meus irmãos e eu estávamos com os rostos cobertos de lágrimas. Nós o abraçamos e ele nos consolava, dizendo: “Está tudo bem, meus filhos, podemos ir para casa.”
E, por fim, o professor concluiu: Naquele dia entendi o que é o verdadeiro amor. Está muito além do romantismo, e não tem muito a ver com o erotismo, mas se vincula ao trabalho e ao cuidado a que se professam duas pessoas realmente comprometidas.

Quando o mestre terminou de falar, os jovens universitários não puderam argumentar.
Pois esse tipo de amor era algo que não conheciam.
O verdadeiro amor se revela nos pequenos gestos, no dia-a-dia e por todos os dias.
O verdadeiro amor não é egoísta, não é presunçoso, nem alimenta o desejo de posse sobre a pessoa amada.

“Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado com certeza chegará mais longe e terá a indescritível alegria de compartilhar, alegria esta que a solidão nega a todos que a possuem…”